Ironman 70.3 Brasília 2015 - Relato da Prova

Vamos ao relato de mais essa prova, que diferentemente do ano passado, não foi a prova alvo do primeiro semestre. Foi uma prova no meio do caminho do Ironman Florianópolis. 

Pré prova

Como o Ironman 70.3 Brasília este ano aconteceu no feriado de Páscoa deu para ir um pouco antes, na sexta já pela manhã. Chegando lá foi dia de montar a bike e começar os preparativos. De treinos, como citei no post anterior, uma soltura das pernas na sexta e um reconhecimento do lago e teste na bike no sábado. 

Algo que vale destacar aqui ocorreu no simpósio. Foi informado que nesta prova (e espero que daqui para frente) teremos antidoping para amadores também. Ainda em uma quantidade pequena mas teremos. Acho que é um bom começo. 

Também conseguimos reunir boa parte da turma da Webtreino que estava lá para algumas fotos e conversas. 

Natação

Já no domingo a postos para largada que ocorreu, para os amadores, 6:59hs. Nadei melhor que ano passado e desta vez consegui me livrar um pouco antes do tumulto de uma largada de dentro da água. Como o sol não estava tão forte como no ano passado também foi mais fácil me guiar na primeira perna da natação. Na metade desta etapa senti um pouco de cansaço nos braços mas tentei manter um ritmo parecido com o que estava mantendo até então. Na volta acabei fazendo alguns desvios de rota não previstos, o que acabou me dando uns 200m a mais de natação. Finalizei praticamente 3' mais rápido que ano passado, porém tendo nadado um pouco mais que o que deveria, como sempre. :-)

Ciclismo

Terminada a natação, senti uma certa indisposição na hora de correr para a T1. Acabei optando por deixar o staff tirar minha roupa de borracha (coisa que não fiz ano passado onde eu mesmo tirei na tenda de troca). No caminho até as sacolas e a tenda eu tive que reduzir o ritmo por conta desse mal estar. Já na tenda de troca fiquei quase um minuto sentado para melhorar um pouco. 

Comecei então o ciclismo com uma ideia na minha cabeça. Não forçar demais como no ano passado onde iniciei com uma média acima do normal e depois fui decaindo nas outras duas voltas. Também aproveitaria isso para que na primeira volta eu me recuperasse bem desse mal estar que tive logo depois da natação. Deu muito certo e as três voltas do ciclismo foram dentro do que havia conversado com meu treinador. Ritmo bom mas sem forçar demais para não sacrificar a corrida (mal sabia eu o que estava por vir). 

A etapa do ciclismo desse ano foi sensacional. O trajeto conseguiu ficar ainda mais bonito e interessante que em 2014. O trecho que percorre a Esplanada dos Ministérios é incrível. O vento estava fraco e não chegou a atrapalhar a prova. De ressalva, talvez o fato de estar ainda me acostumando a não usar o aerodrink. Acho que acabei tomando menos água do que tomei quando utilizava. Também notei, no final do ciclismo, nos termômetros da cidade que a temperatura beirava os 30 graus. Como na bike estamos sempre com muito vento no corpo nem sempre nos damos conta disso, porém imaginei que a corrida seria dura novamente.

Corrida

A transição 2 foi dentro do previsto e sem percalços. Saí para correr me sentindo até que bem. Mas logo que peguei a subida inicial do trajeto notei que não seria fácil. Ainda assim estava me sentindo apenas com o cansaço normal de uma prova de distância de meio Ironman. Mas quando passei dos 3Km vi que estava cansado acima do normal e quando beteu nos 4Km o ritmo começou a despencar e as forças bem menores do que sei que meu corpo pode me proporcionar. Logo tomei uma decisão muito acertada. Parei de olhar no Garmin e tratei de correr em um ritmo que eu não fosse forçado a parar ou então caminhar durante a prova. A cada Km eu não olhava o Garmin. Havia um sentimento de frustração, sem dúvidas, pois sei que posso correr bem mais do que corri. Entretando eu procurei pensar no Ironman que tenho em maio e que essa é a minha prova alvo do semestre. Também não sou de desistir tão fácil e pensei também nas pessoas que estavam lá (ou em outros lugares) torcendo pela minha prova. Não seria justo nem comigo nem com elas parar. Encaixei aquele ritmo mais lento e fui me recuperando aos poucos pelo menos para uma corrida razoável. Procurei me hidratar mais e por umas duas ou três vezes me alimentei caminhando nos postos de hidratação. Já no final da meia maratona vi que o corpo estava respondendo um pouco e consegui melhorar o ritmo, chegando pelo menos mais perto do que eu realmente poderia estar. 

Acabou sendo uma mistura de sentimentos, pois ao mesmo tempo a corrida me frustrou, por outro lado me ensinou a lidar com uma situação difícil e também a contornar essa situação e não deixar me abater tanto por ela. Claro que hoje, passada a prova fica um gosto de quero mais. Uma vontade de voltar a Brasília para tirar essa "dívida" que deixei lá. Fazer a corrida que gostaria de ter feito. Tenho certeza que em breve volto lá e arrumo essa pendência.

Em resumo posso dizer que nadei como esperava e melhor que ano passado. Pedalei quase na média do ano passado mas de uma forma mais consistente, além de ter feito menos força que ano passado para conseguir chegar nessa média. E a corrida foi onde acabei tendo a pior parte da minha prova que, se não foi como eu queria, também não foi nenhuma tragédia.

Queria aqui aproveitar para agradecer a torcida de tanta gente. Família (inclusive minha mãe que resolveu dar "um pulo" em Brasília para torcer no final de semana), amigos, minha equipe, desconhecidos, conhecidos, etc. Todo mundo mesmo. Agradecer também meu treinador que continua me fazendo evoluir tanto com as provas boas como nas não tão boas. E claro, não podia deixar de citar minha esposa que, apesar de uma carga imensa de trabalho e de praticamente duas semanas doente, me acompanhou até Brasília no feriado de Páscoa para torcer apoiar como sempre! 

Aqui o link para a atividade no Garmin. 

Assim que montar um álbum com mais fotos eu publico aqui no blog. 

"A dor é temporária... o orgulho é para sempre"
Valeu pessoal, a torcida de tanta gente foi decisiva para eu não desistir e seguir correndo, mesmo que não tenha sido no ritmo que eu gostaria! 

Que venha a reta final da preparação para Floripa! Nos vemos em Jurerê! 

Comentários

  1. Mazahhhh que orgulho de vc!!! COm ctza você o que era pra ser feito...as vezes a gente precisa diminuir, pra ter forças pra acelerar mais a frente...e como vc disse, sua prova alvo esta quase chegando e tenho certeza que será sensacional, como vc vem demonstrando nos seus treinos e na sua dedicação! Estamos quase no dia da grande festa!!! Sucesso! PArabéns de novo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh Mary, obrigado! Foi dura a corrida mas a gente tem que terminar né! Kkkk. Valeu. Estamos no caminho. Logo nos encontramos em Floripa!
      Bjs

      Excluir
  2. prova é isso, adaptar ao que acontecer. E tem que ter muita cabeça pra continuar nessa hora desse jeito, parabéns cara !!!!!

    Mais uma pra conta, agora tacalepau que tá chegando maiooooooooo !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... fica uma frustração mas também fica muita coisa boa. Isso tudo faz parte. Valeu Pina. O mais importante no primeiro semestre é 31 de maio! E está chegando!
      Abração! Logo nos falamos aí!

      Excluir
  3. Já te dei os parabéns hoje, mas passei pra dizer que Brasília estará sempre de braços abertos para te receber.
    Beijo,
    Dani.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Dani! Pode ter certeza que voltarei muitas vezes para fazer essa prova. É MUITO show!
      Bjs e obrigado!

      Excluir
  4. Carambaaaa Milton, vc manda muito bem!! Super exemplo de determinação, superação, empenho!!! feliz demais pelo seu post, e sem dúvidas, vc vai voltar pra BSB pra pagar essa dívida que ficou lá!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh Mari, obrigado! Algumas pessoas me falam isso e eu acho curioso. Acho meio "normal" sei lá. Apenas gosto dessa brincadeira e tento treinar da melhor maneira. Obrigado mesmo. E com certeza voltarei lá para um resultado BEM melhor!
      Bjs

      Excluir
  5. Grande Milton.
    Tomara que esse negócio de antidoping seja frequente. Assim como vácuo, os atletas tem a leve ilusão de serem melhores, enganam os outros e principalmente se enganam. E não é justo com quem treina limpo, como nós.

    Sua prova foi excelente, claro que acompanhando seus treinos no Garmin sei que vc voa na corrida e que sentiu um pouco, ainda assim fez abaixo das 5 horas, o que é bem excelente contando também que Brasilia tem a altitude e o calor.

    Não se cobre tanto quando não for bem, eu nunca vou bem e to sempre feliz rs, porém tem aquele ditado que nessas horas de dificuldade não me saem da cabeça: Retroceder nunca, render-se jamais. Me orgulho de nunca ter desistido de nenhuma prova, mesmo mal como no Iron do ano passado quando voltei de Caracas com uma virose. O importante é que vc chegou no final, e chegou na frente de muita gente.

    Abraço, bom descanso e até mês que vem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que seja assim mesmo Fábio. Precisamos ser justos no esporte e se as pessoas não sabem ser, que elas sejam obrigadas a ser.
      Valeu cara, obrigado pelas palavras. Sou meio caxias mesmo, acabo me cobrando um pouco. Correr nesse ritmo para mim foi bem frustrante mas sei que a prova não foi de todo ruim. Nadei melhor, pedalei bem... só a corrida que foi ruim. Mas isso faz parte e agora é bola para frente e foco no Iron. Te juro que pensei em desistir mas pensei como tu. Desistir jamais!
      Isso aí... nos vemos no final de maio. DENTRO da pista!
      Abração!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sua opinião, sua crítica, seu elogio, qualquer coisa... procuro responder sempre.

Postagens mais visitadas