No meio (ou no final) do caminho havia uma fascite

Para quem me acompanha aqui desde o início do blog vai lembrar que exatamente uma semana antes da prova de 2013 eu tive uma queda de bike. Muitos esfolados e alguns inchaços pelo corpo. Por sorte não quebrei nada mas o susto foi enorme. Acho que eu tenho uma sina com isso, agora vinte dias antes do Ironman 2015 eis que novamente aparece um susto. Sábado à noite comecei a sentir um leve incômodo no pé direito mas nada demais, porém no domingo acordei com ele bem dolorido. Como o dia era off a dor aliviou e fui correr os 14Km planejados para segunda. Meu amigo, que sofrimento. Depois dos 10Km aquela dor reapareceu com força total. Foi o tempo de encerrar o treino a caminho do carro e o pé ficou MUITO dolorido ao longo do dia. Tratei de falar com minha fisioterapeuta, ir numa emergência de um hospital e apelar para tudo que é coisa, pois eu estava com dor e mancando simplesmente por caminhar. 

Batendo ponto na fisioterapia
Pequeno arsenal no trabalho. Gelo, massagem e massagem com gelo
Já na terça mesmo resolvi falar com o Dr. Marcelo Schiavon que é atleta Webtreino e ortopedista e ele me conseguiu um encaixe. Em resumo, uma fascite plantar no pé direito, bastante dor e um treino longo de corrida de quarta-feira adiado para (possivelmente) quinta enquanto os medicamentos faziam efeito. 

Aí vem a parte mais curiosa de todas. O treino longo de 30Km, aliás o único de 30Km que teria para fazer em todo ciclo, que achei que ia perder foi um dos melhores treinos que fiz. Não que tenha sido sem dor, longe disso, ainda fiz com um pouco de dor, porém respeitei as instruções do médico. Correr desde que a dor fosse suportável e testar um analgésico que vou levar comigo para o Ironman na hora que achasse que a dor ficasse um pouco maior. Também por ordem médica alternei o treino que deveria ser na rua com inclinação para uma corrida dentro do parque usando bastante a grama e plana. Ritmo deveria ser um ritmo 2 mas bastante tranquilo e foi assim que iniciei e terminei o treino. Infelizmente esqueci a cinta cardíaca em casa mas tenho certeza que ficou muito controlada. Corri de uma forma surpreendentemente solta. Se não fossem as dores no pé eu diria que foi um dos melhores longos que fiz até hoje. Terminei os 30Km como se tivesse corrido somente uns 15Km. Sem cansaço nas pernas, no corpo, sem aquela sensação de querer uma cama o dia inteiro. Isso ocorreu com certeza por ter respeitado bastante a instrução de correr num ritmo leve em função do pé. Aliás, em relação ao pé, posso dizer que até o 20Km estava com bem pouca dor, especialmente nos períodos que conseguia ficar na grama. Dos 20Km até os 30Km a dor aumentou um pouco, pois já começava a chegar perto das duas horas de impacto repetido no corpo. Aproveitei então para tomar o analgésico sugerido pelo médico e tudo melhorou para completar o treino. Terminei também contente, pois achei que o pé ficaria muito dolorido após o treino e não foi isso que ocorreu, a dor regrediu bastante. Ao longo do dia no trabalho bastante gelo, massagem com bolinha, etc. 
Baita de um treino longo lutando contra meu corpo
A lição que dá para tirar aqui é que nem tudo está perdido. O treino mais longo de corrida até agora e que eu achei que fosse perder talvez tenha sido o que me deu confiança que devo chegar bem no Ironman. Minha fisioterpaueta disse que 100% é difícil chegar, pois falta pouco tempo, mas ainda assim acho que dá para chegar bastante bem para correr conforme o planejado. 

Aproveito o post para agradecer tantos amigos que se preocuparam comigo mandando mensagens me desejando melhoras, perguntando sobre meu problema e também passando dicas e links de como combater essa lesão tão comum em corredores. Um sincero e especial agradecimento! 

Que tudo não tenha passado somente de um susto. Vamos em frente que a semana que vem os volumes já baixam! 

Comentários

  1. Primeiro, parabéns pelo blog, que sempre acompanhao. Amigo, já passei muito por isso. No meu caso a massagem com bolinha resolve 95% do problema. Mas a minha bolinha é bem dura, pois já testei com outras mais moles e não resolveu. Também, enquanto estou com as dores, evito de andar descalço ou usar sapato, optando pelo tênis. Não tem me atrapalhado mais. Se tiver interesse em ler, tem um post que escrevi há algum tempo http://corredorfeliz.blogspot.com.br/2013/05/como-trato-minha-fascite-plantar.html . abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Sergio, muito obrigado por acompanhar o blog e pelos parabéns. E mais ainda pelas dicas. Realmente não tá fácil, a dor melhorou mas ainda tá incomodando para correr. Já li teu post e vou tentar fazer de tudo um pouco.
      Forte abraço e apareça sempre!

      Excluir
  2. Com suporte médico, tratamento certo e respeitando o corpo você estará pronto para o IMB15! Força! Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos ver o que acontece, Wisley... tá f&*@ˆ. kkkkk. Valeu camarada, obrigado! Abraço!

      Excluir
  3. piá bão... é isso aí.. daqui a pouco vai estar legal... tenha fé....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Marlus... só quero é conseguir fazer a maratona legal no Iron. Nem que depois eu não caminhe mas lá no dia quero conseguir correr com um mínimo de dor.
      Abração parceiro!

      Excluir
  4. Cara eu não sabia disso, e tenho fascite tb nos dois pés, mas não é por causa do treino e sim de ficar o dia inteiro em pé no avião usando sapato, já aprendi a lidar com a dor, mas se puder me passa o nome desse remédio ai rs.

    Melhores e tenha fé que vai dar tudo certo como tu planejou.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que assim seja, meu amigo! Vamos ver o que dá! Te passo sim depois pelo WhatsApp, fica frio! Kkk
      Abração!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sua opinião, sua crítica, seu elogio, qualquer coisa... procuro responder sempre.

Postagens mais visitadas